HISTÓRIA de luta: a primeira grande viagem

ERA o ano de 1977, e aquele concurso foi dificílimo; ou fácil, dependendo do grau de preparação do candidato. No meu caso particular foi difícil mesmo, dificílimo…, difícil pra burro. Para se ter ideia, a média mínima das três provas teóricas realizadas – Português, Matemática e Ciências – era 6,00. E quanto tirei? Exatos 6,00 (seis, bola, bola). Na mosca! Uma questão errada a mais e nada feito.
Minha vida de estudante foi toda em escola pública, em Belém, Pará. De forma que, em vista da parca preparação ao concurso, o fato de ter sido aprovado na primeira fase era digno de grande júbilo, chegando mesmo a ser uma agradável surpresa. Mais tarde, iria verificar que foi, na verdade, um grande milagre. Deus me ajudou muito nesse primeiro desafio daquele rapaz que se preparava às exigências da vida de adulto.
Para mim, aquele exame foi dificílimo

Nessa primeira etapa, tudo certo e o meu nome estava lá na lista dos convocados para os exames seguintes. Vieram os exames médico e psicológico, e então era só aguardar para a convocação final, e seguir destino a Guaratinguetá, São Paulo, a fim de cursar dois anos de semi-internato na Escola de Especialistas.

Ocorre que nada feito. Chegou a data, e o meu nome não estava lá. Não fiquei tão decepcionado assim como era esperado, pois no meu íntimo eu já sabia da minha pouca preparação. Resignei-me e aguardaria o próximo concurso, depois de 6 meses, findo esse prazo eu estaria mais preparado, e não teria tanta dificuldades nos exames iniciais como eu tive desta feita. Tudo bem, era esperar.
Passou-se um mês e pouco, e numa bela noite, lá pela madrugada, recebi a visita de um amigo, o Francisco, nosso vizinho de duas casas à esquerda da nossa. Ele tinha a excelente notícia da minha convocação. Fora chamado em segunda oportunidade, a fim de suprir vaga de um desistente, como vim a saber depois.
Contava eu com 16 anos e não tinha naquela ocasião a mínima noção do quanto aquela viagem iria mudar o curso de minha vida. Não tinha a mínima ideia de nada – de bom e de ruim – que o futuro estava a me reservar, naqueles dois próximos anos e nos demais.
Continua…
AMIZADE é como dinheiro: mais fácil de conseguir do que de manter.” Samuel Butler
“LOUVADO seja Nosso Senhor Jesus Cristo!”
Anúncios

Um comentário sobre “HISTÓRIA de luta: a primeira grande viagem

  1. Pingback: HISTÓRIA de luta: chegou o dia da viagem « CAPITÃO Valentim

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s