GREGÓRIO Fortunato!

Avatar de Valentim

HOJE, SE VIVO estivesse, o gaúcho Gregório Fortunato completaria 123 anos. Nascido a 24 de janeiro de 1900, o Anjo Negro, como Gregório também chegou a ser conhecido, entrou para a historiografia brasileira por ter sido acusado como o mandante da morte do major-aviador Rubens Frorentino Vaz, na madrugada de 5 de agosto de 1954. O “Crime da Rua Tonelero”, como também passou a ser chamado o episódio provocou uma grave crise política culminando com o suicídio do presidente Getúlio Vargas.

Tentando desvencilhar-se de seu oponente, com quem travava luta corporal, Alcino João do Nascimento atirou no major Vaz determinando a sua morte. Simultaneamente o jornalista Carlos Lacerda aparece ferido no pé esquerdo, o que foi determinante para caracterizar o crime como de natureza política, já que Lacerda, dono do jornal Tribuna da Imprensa, era o nome mais proeminente da União Democrática Nacional, que fazia violenta oposição ao governo de Vargas, de cuja guarda pessoal Gregório Fortunato era o chefe. A morte do major, segundo o IPM instaurado por militares da Aeronáutica, teria sido por acaso; sendo assim, Lacerda era o alvo – ao menos assim dizem os livros de História.

O tema, porém, é deveras controverso.

Dezenas de autores se dedicaram ao assunto, cada grupo defendendo um ponto de vista diverso. De um lado, os antigetulistas, que, naturalmente classificaram o episódio como da responsabilidade do presidente, de membros de sua família e de políticos aliados. Para estes, não há dúvida: Gregório mandou matar Lacerda, resultando na morte do major. Carlos Lacerda era a voz a incomodar o Governo Vargas, daí o interesse em sua eliminação.

De outro lado, que interesse havia da parte de Vargas em fazer mais barulho? Qualquer coisa que ocorresse de ruim a Lacerda ou a qualquer outro opositor em nada ajudaria Vargas, que, a essa altura já se encontrava envolto numa grave crise política.

Mergulhando no assunto, escrevi um livro sobre o caso. Em O País dos Militares e dos Bacharéis, opino pela ausência de culpa do governante do Brasil de então. Várias razões, não apenas por mim, mas por dezenas de autores, são dissecadas:

  1. Que proveito tiraria Vargas?
  2. Por que Alcino, um homem franzino, não teria tido a prudência de atirar no jornalista a partir de um lugar seguro, como um poste ou uma árvore do outro lado da rua? Lacerda, acompanhado do filho Sérgio, conversava tranquilamente com Vaz.
  3. Em vez disso, atravessou a rua e colocou-se à vista do major, que na verdade bancava o segurança do jornalista. Por quê?
  4. Lacerda em seu jornal disse que havia uma fuzilaria, com tiros de outra direção, porém mais tarde adotou a ideia de um único atirador.
  5. Se havia um só pistoleiro, como Lacerda foi atingido no pé por Alcino, se este estava em luta corporal com o major Vaz?
  6. Por que razão o jornalista recusou-se a entregar seu revólver ao delegado?
  7. Por que desapareceu o prontuário médico sobre o ferimento em seu pé?
  8. Por que Gregório Fortunato, que, como chefe da guarda pessoal do presidente, dispunha de vários carros à sua disposição, mandou contratar um taxista que fazia ponto em frente ao Palácio do Catete?
  9. Por que Gregório não contratou diretamente um pistoleiro de sua confiança, em vez de delegar a terceiros a incumbência para uma missão tão séria, que não podia falhar?

Enfim, muitas são as indagações até hoje não respondidas convincentemente.

Ao final, foram condenados Gregório e mais cinco outros acusados. Ainda na prisão e dias antes de obter liberdade, Gregório Fortunato foi assassinado por outro detento. Antes havia declarado que reunia, num caderninho, anotações suficientes para escrever um livro, pondo tudo às claras, ou seja, contando a sua verdade sobre Tonelero. O caderninho, porém, jamais foi encontrado entre seus pertences. Morreu no dia 23 de outubro de 1962, por ironia uma data festejada na Força Aérea Brasileira como o Dia do Aviador.

Apenas coincidência ou de caso pensado?

L.s.N.S.J.C.!

Publicidade

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: