MUITOS não perdoam Edison por ter sido Pelé!

Avatar de Valentim

MUITOS insistem em cobrar perfeição de Pelé. Afora sua genialidade incomum com a bola, que levou o nome do Brasil aos quatro cantos do mundo, era um ser humano, e, como tal, sujeito a erros e acertos.

Na década de 1980, eu percebia uma grande forçação de barra da grande mídia para consagrar Zico como alguém que viesse a superar os feitos de Pelé, ou no mínimo igualá-los. Se isso viesse a acontecer, a imagem de Pelé rapidamente seria apagada, desfeita, como agora muitos tentam fazer, apelando para os erros em sua vida particular.

Zico era fora-de-série, mas muito aquém de Pelé. O Galinho, porém, apresentava algumas diferenças em relação a Pelé: era do Rio de Janeiro, jogava pelo Flamengo, o time mais popular do Brasil, além de ser branco, um bom-moço. Racismo: aí eu creio que está a razão de todas as críticas a Pelé. Ele incomoda por isso: um menino negro nascido nos grotões de Minas Gerais, que, por seu talento inigualável, tornou-se o Rei do Futebol, respeitado em todo o Planeta Terra. Pelé transcendeu ao jogador de futebol, inserindo-se noutras atividades, além de proferir opiniões nem sempre certeiras ou compreendidas. Por isso o atacavam; por isso ainda hoje, depois de sua morte, não o perdoam.

Pelé nasceu e cresceu numa época em que o povo não tinha informações do que ocorria na política; era, portanto, produto de seu meio e de seu tempo, como a maioria das pessoas de pouca instrução. Mas lhe cobram posições políticas, num tempo em que até mesmo o pensamento era vigiado. Ainda assim, consta que, em plena Ditadura Militar, pugnava por libertação de presos políticos. Não foi preso nem torturado por ser o Pelé.

“Se o negro quer que se tenha uma melhora na sua posição social e uma melhora no Brasil, temos de botar gente no Congresso para defender a nossa raça”. Pelé quando Ministro do Esporte.

Depois de pertencer à mesma agremiação esportiva por dezenove temporadas consecutivas, julgou que havia chegado a hora de pendurar as chuteiras. Havia ganho três campeonatos mundiais pela seleção de seu país e dois mundiais pelo Santos Futebol Clube; havia feito mais de mil gols. Não tinha nem 34 anos.

Mas, no ano seguinte, surgiu uma proposta irrecusável, isto num período em que o futebol não era milionário como hoje. Foi duramente criticado quando aceitou um contrato para defender o N. Y. Cosmos, revendo a ideia de despedir-se do futebol. Foi chamado de traidor e coisas assim.

Mais ou menos como ocorreu a Carmen Miranda, quando partiu para os Estados Unidos.

Ora, eu, de família pobre, negro, se tivesse a fortuna de ter os dons de Pelé, também aceitaria; nem pensaria duas vezes.

Ultimamente, a grande polêmica residia em seus erros familiares, quando – segundo a imprensa – não reconheceu uma filha, que, conforme algumas versões, acabou morrendo de câncer por crença religiosa. A ser verdadeiro que a família de Sandra Regina (esposo, pastor) forçava Pelé a um leilão, uma espécie de chantagem, a ser verdadeiro – repito -, creio que até eu mesmo não teria cedido, aborrecendo-me com a ambição de quem tentava se aproveitar de erros da juventude.

A razão maior da falação de tanta gente é essa: Pelé foi um menino negro que venceu e isso incomoda muita gente.

A propósito, retransmito aqui o texto de Ana Ribeiro, colhido a partir do Facebook:

“A vereadora evangélica Sandra Regina,filha bastarda do Rei Pelé, procurou o Rei acompanhada da imprensa, com fotógrafos e repórteres. Ela queria ser reconhecidas como filha, e também uma indenização, por não ter sido reconhecida quando nasceu,e desfrutado de uma vida melhor, junto com os outros irmãos. O Rei Pelé, estava aceitando tudo,mas,exigiu que o caso ficasse em sigilo. Foi aí que entrou em cena,o marido da Sandra Regina, pastor Ozéias. O pastor exigiu uma recompensa financeira do Rei Pelé, para ficar em silêncio. Isso irritou o Rei Pelé, que não quis ceder a exigência do genro, e a coisa, que estava já costurada foi parar na justiça.

Mas, o que gerou o grande problema foi quando Sandra Regina chegou acompanhada da imprensa. O pai do Rei Pelé, Dondinho, que estava presente, passou mal. Daí em diante, seu Dondinho ficou hipertenso e veio a falecer devido ao acontecido. Daí em diante, toda família do Rei Pelé, ficou contra Sandra Regina.

Aproveitando a repercussão do caso, a então balconista Sandra Regina se candidatou e ganhou para vereadora em Santos, no ano 2000. Depois de reeleita em 2004, contraiu uma doença grave e veio a falecer em 2006, depois de se recusar fazer tratamento médico. Ela alegava, falta de tempo, e que tinha fé, que Deus, ia curar sua enfermidade.

Mesmo assim, com tudo isso, o Rei Pelé sempre deu aos dois netos filhos de Sandra Regina, uma pensão mensal de 5.600 reais, plano de saúde e pagamento dos estudos para cada um dos meninos, seus netos. Mesmo assim, em 2014, o pai dos meninos, pastor Ozéias, entrou na justiça, pedindo aumento, alegando que era pouco o que os filhos recebiam do avô.

Sandra Regina foi fruto de um envolvimento do Rei Pelé, com Anizia Machado, a moça que trabalhava fazendo trabalhos domésticos, em sua casa. Trinta anos depois, Sandra Regina, procurou o Rei Pelé, e se apresentou como fruto daquele relacionamento de três décadas, quando o Rei Pelé, já era rico, muito famoso…e ainda novinho”.

Quem não tem defeitos que atire a primeira pedra, como disse o Mestre.

Obrigado, Pelé!

L.s.N.S.J.C.!

Publicidade

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: