Categorias
Uncategorized

MENSAGEM ao Alemão!

PACOBAHYBA chega apressadamente ao Serviço de Suprimento Técnico, do qual é o chefe, sobe a escada a passos rápidos, quase que a pular os degraus, abre a porta da chefia e vai direto ao reservado. À parede da sala uma única testemunha: o retrato do presidente, que posa garboso para a Nação.

O Alemão

Urge passar um importante radiograma para o Alemão, ainda que ele próprio esteja ali na parede com seus indiscretos olhos azuis. Alguns segundos depois e seria tarde demais para pagar esse imposto que a natureza não dispensa e que, de uma forma ou de outra, cada sujeito tem que compulsoriamente pagar não importando a hora e lugar.

Isola-se enfim nesse momento único, necessário, aliviante e prazeroso de plena solidão. 

Aaahh! 

É exatamente aí onde a natureza se faz implacável a todos indistintamente, sendo rico ou pobre, homem ou mulher, jovem ou velho, magro ou gordo, preto ou branco, santo ou pecador, ilustre ou ordinário, comandante ou soldado. Todos — absolutamente todos — se apresentam iguais neste mundo porque ninguém, não importando classe social, sexo, idade, etnia, crença religiosa, conhecimento, patente, é capaz de sonegar tão sagrado imposto.

Acende um cigarro e se queda a meditar aproveitando aquele momento só seu, indelegável, discreto, do qual não se faz — e nem se deseja — publicidade alguma, tampouco testemunhas. É nessa hora que toda a gente se dedica a refletir, meditar, pensar sobre os problemas, assuntos do momento, concentrar-se nalgum problema que o aflige, ou mesmo a procurar esquecer outros; ainda simplesmente ler um jornal ou folhear uma revista. Em vez disso, Pacobahyba pensa que a vida possui momentos díspares e comuns a todos. Um deles é o nascimento, um acontecimento de poucas testemunhas, em que o homem vem ao mundo sem nada, nem ao mesmo uma minúscula tanga; ao contrário, no último adeus você está lá à vista de todos, trajado com austeras vestes e coberto de flores e palavras de elogios. Agora, ao contrário do início do processo — a refeição — o sujeito dispensa acompanhantes. Antes, publicidade; agora, privacidade!

Feita essa pequena digressão filosófica, dessa vez Pacobahyba pensa sobre como articular o discurso que seria assinado e proferido pelo tenente Normando,  a pedido de dona Sizenanda. Como é mesmo o nome do brigadeiro?

Agora ouve vozes lá em baixo. Era a sua turma, que já retornara à atividade rotineira após o almoço e o intervalo de descanso. É possível distinguir bem as vozes de Olegário e de Gentil. Falam alto pois pensam que o chefe está ausente.

— A vida é mesmo engraçada, principalmente aqui nesta base aérea.

— Por que diz assim, Gentil?

— Não dá pra fazer filme de Faroeste. Só tem artista aqui, caro Olegário.

— Você tem razão — É o suboficial Juvêncio que entra na conversa. — Por exemplo, tem aí um sujeito metido a escritor, que, pra vender seus livros, pagou gente pra sair por aí nas livrarias procurando o livro, qual é mesmo o nome?, ah sim, Contos Paraenses. Não é mesmo, Gentil?

— Veja só, Olegário, que me referia a tantos casos que a gente houve na mesa de rancho e depois, quando se está lá no cassino jogando sinuca ou uma dama.

— E aí? Continue.

— Só hoje pude ouvir duas fichas, que hão de compor as páginas do meu próximo livro: o caso do defunto viajante e a história do Aristides, o falsário, que vive por aí dando trambique nos outros.  Responde só a onze processos por estelionato. Ora se não vão pro meu livro. Acrescento um detalhe aqui e outro ali, aumento sempre um pouquinho e a história fica bem engraçada. — e voltando-se para o suboficial Juvêncio Longo —  Ora, suboficial, eu pelo menos passo por aquela porta sem que precise me abaixar.

— Han?!

— Meu suboficial, nesta vida cada um tem o seu truque. Eu precisava me virar pra poder pagar a editora e os bancos. Mas, creia, esse bizu que o senhor ouviu por aí é puro boato. Não se preocupe com isso, que deve ser coisa que puseram na sua cabeça. Relaxe, homem!

O suboficial ainda pensava o que ele quereria dizer, quando…

— Boa tarde, quero falar com o capitão Pacobahyba — é o tenente Normando, que chegava em boa hora, interrompendo uma conversa que não poderia dar boa coisa. Juvêncio sorria um sorriso sem graça, enquanto os — Zuleiko acabava de chegar — outros sorriam a furto.

— Ele deve estar por aí paquerando a secretária do comandante — disse Zuleiko, com um sorriso de escárnio.

No entanto, Pacobahyba, lá de cima e já aliviado, ouve tudo. Tolos! Enquanto se perdem em relatar pequenos e inocentes acontecimentos do dia a dia, deixam passar a razão por que estamos aqui. Nós todos instrumentos de algo muito maior, gigante mesmo… Poucos enxergam. E, olhando para o quadro na parede, imagina que o Alemão sim, sabe de tudo, mas ele, inclusive ele, também é peça dessa enorme máquina.

— Estou aqui em cima! Pode subir, tenente — disse o oficial, que, aliviado, abria a porta de sua sala, deixando para trás o resto da janta e do café, que agora se juntam à natureza de onde vieram.

— Xiii! — faz Juvêncio. — Te explica depois pro chefe, Zuleiko.

— Quero falar com você, Gentil, mais tarde. Defunto viajante! Essa é boa.

— Sim, senhor, capitão!

Agora mais leve, Pacobahyba aponta uma cadeira onde, a um sinal do capitão, Normando se acomoda.

— Temos só esta tarde e mais a manhã seguinte, meu tenente. Vamos ao discurso.

Por Valentim

Escritor paraense radicado no Paraná, Antonio Valentim é autor do livro "O País dos Militares e dos Bacharéis" e de "O Misterioso Crime do Sacopã", este ainda em projeto.
Passeia também pelo canal BLOGUEdoValentim!, do YouTube,
L.s.N.S.J.C.!

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s