Categorias
Uncategorized

MALBA Tahan!

O mendigo das moedas de ouro (quarta parte)

Continuação da postagem de 26jun2018

MALBA Tahan Júlio César
Malba Tahan ou Júlio César de Mello e Sousa (fonte: Internet)

CONVIDADO a falar, o mercador não hesitou. Depois de dirigir respeitoso salã ao rei e aos nobres, narrou o seguinte:

Devo dizer, primeiramente, ó rei afortunado, que o meu nome é Salim Matalak e que sou filho de Mossul, cidade onde vivo mercadejando tapetes, babuchas e turbantes. Tendo chegado a esta gloriosa cidade de Bagdá, com uma caravana de mercadores persas, resolvi  hoje pela manhã visitar a famosa mesquita de Osmã (Allah a nobilite cada vez mais!), onde pretendia, como bom muçulmano, fazer as minhas preces habituais. Quis, porém, a vontade do Onipotente que, ao atravessar a praça do Sultão Al-Mansor, junto à pequena fonte que lá existe, encontrasse no chão, meio coberta de terra, pequenina moeda de cobre já um tanto gasta pelo tempo ou pelo uso. Apanhei-a e pus-me a examiná-la. “A quem teria pertencido?”, pensava eu caminhando para a mesquita. “Quem a teria perdido ali no meio da areia?” Absorto em tais cogitações, já me dispunha a entrar no templo quando vi um mendigo de aspecto sórdido, que me estendia a mão implorando um óbulo em nome de Allah. Tendo em mente que socorrer os necessitados é um dever de todos os muçulmanos, conforme determina o nosso santo Profeta (com ele a oração e a paz!), sem hesitar dei ao mendigo da mesquita a pequenina moeda que pouco antes achara junto à fonte de Al-Mansor. O andrajoso pedinte, ao invés de balbuciar uma dessas fórmulas triviais com que a mendicidade sói agradecer-nos, exclamou com certa ironia: “Que posso eu fazer, se minha pobreza é tão grande e o valor desta moeda tão pequeno?”. Magoado com essas palavras, em que percebi uma censura injusta à minha intenção, exclamei: “Se não queres essa moeda, ó ingrato, procura dá-la de presente à primeira pessoa que passar por ti”. E, sem mais me preocupar com o caso, descalcei-me e entrei na mesquita. É essa a minha história, ó califa generoso! Atal Allah unrak ai maulay! (Que Deus prolongue a tua vida, ó rei!)

Finda a narrativa do mercador, declarou o sultão:

— Nada tem de extraordinário ou de misterioso a história que acaba de ser narrada por esse bom mercador. O que, porém, não posso conceber é a razão por que esse peregrino, recebendo do mendigo a moedinha de cobre, lhe deu em troca uma moeda de prata. Não encontro, dentro do bom-senso, como justificar esse disparate.

Ao ouvir as palavras do soberano, o peregrino aproximou-se alguns passos do trono, prostrando-se humildemente e beijando a terra entre as mãos, e assim falou:

Meu nome, ó Comendador dos Crentes, é Halef Khalid e vivo em Basra, minha terra natal, onde exerço a modesta profissão de pasteleiro. Este ano, a conselho de meus parentes, vendi parte de meus bens e com o dinheiro que apurei no negócio resolvi fazer uma peregrinação a Meca — a cidade santa, pérola da fé –, a fim de cumprir os meus deveres de crente fiel do Islã. Vindo de Basra, cheguei ontem a esta cidade com um grupo numeroso de peregrinos. Hoje pela manhã, quando me dirigia à mesquita de Osmã (Allah que a conserve!), de mim se aproximou esse mendigo (que agora vejo neste divã) e, sem que eu nada lhe dissesse, ofereceu-me uma moeda de cobre. Surpreendeu-me sobremaneira tão extraordinária oferta, não só pelas condições do ofertante, como também porque verifiquei, depois de ligeiro exame, que a moeda em questão era uma peça antiga do tempo do nosso califa Otmã (Allah o tenha em sua glória!). Devo dizer que, à semelhança de meu pai, sou colecionador de moedas antigas. Agradeci, pois, sinceramente ao mendigo o oferecimento que acabara de fazer-me e, em troca da moeda história, dei-lhe uma moeda de prata corrente, que representava o justo valor da lendária moedinha de cobre. Aí está, ó Comendador dos Crentes, a razão por que troquei uma moeda de prata por outra de cobre. Yahia amir El-Manenin! (Que viva o príncipe dos crentes!).

Com essa cortesia, calou-se o peregrino.

— Louvado seja Allah! — proclamou o sultão — a troca feita por esse homem nada tem de absurda nem de extraordinário. É razoável e natural. Recebeu uma moeda rara e dá em troca outra de valor equivalente. O que, porém, não compreendo é a razão que levou esse judeu a dar, por uma moeda de prata, uma peça de ouro dez vezes mais valiosa.

— Vou contar-vos a minha história, ó califa generoso! — exclamou o judeu — e vereis que nada houve de mais simples e natural.

— E, depois de beijar humildemente a terra entre as mãos, assim começou:

Continua

Por Valentim

Escritor paraense radicado no Paraná, Antonio Valentim é autor do livro "O País dos Militares e dos Bacharéis" e de "O Misterioso Crime do Sacopã", este ainda em projeto.
Passeia também pelo canal BLOGUEdoValentim!, do YouTube,
L.s.N.S.J.C.!

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s