HISTÓRIA de luta: o pior estava por vir

Capítulo 13, continuação da postagem anterior.

ACORDEI num leito de hospital, com o braço ligado a um frasco de soro. Foi quando fiquei sabendo que estava hospedado ali devido à ingestão excessiva de bebida alcoólica, traduzindo, tomei um tremendo porre; o aluno de dia chamou a ambulância; isso explica o som de sirene ouvido. Como consequência da embriaguez, caí da cama e  rolei para baixo da mesma;  aquela escuridão sugeriu um caixão, onde fora posto ainda vivo. Dias antes havia visto na tevê o ocorreu ao ator Sérgio Cardoso, cinco anos antes, que estaria revirado no caixão quando resolveram reabrir o ataúde por suspeita de que teria sido enterrado com vida. Foi um pesadelo simplesmente horrível.
Recebi a visita do Martinelli, que assim demonstrava ser um amigo de todas as horas. O capelão também foi me visitar, aproveitando para dar-me alguns conselhos. Jamais me esqueceria disso.
Chegava o dia da prova de Matemática
O plano de usar o sábado e o domingo para estudar Matemática tinha ido por terra. E naquele estado em que encontrava nada eu podia fazer, a não ser torcer para me darem alta a tempo de me integrar à rotina de segunda-feira, e depois aguentar a zoação da turma. E olha que a zoação da turma ainda estaria de bom tamanho comparada ao sentimento de culpa que me atormentava a cabeça pelo fiasco. Grande mico; micaço. Mas o pior ainda estava por vir.
Chegara, finalmente, o dia ‘D’.  O friozinho na barriga, comum a qualquer prova, devido ao desconhecido, parecia nessa ocasião mui especial multiplicar-se – para usar uma expressão matemática numa espécie de homenagem irônica à matéria cujo primeiro teste naquela manhã aconteceria. O pesadelo da madrugada de sexta para o sábado apresentava-se a mim, naqueles instantes que antecediam à prova de Matemática, como um inofensivo gatinho frente a um imenso e faminto tigre, que eu não tinha outra saída senão enfrentá-lo.
Ora, convenhamos, o sábado e o domingo anterior, ainda que fossem plenamente aproveitados para a Matemática, mesmo assim resultariam insuficientes para deixar-me minimamente preparado e confiante para aquela batalha fatídica. Agora era tarde; por imprudência ou falta de experiência de vida, deixei tudo para o tal fim de semana, quando o Martinelli iria me dar uma força na Álgebra e na Geometria. Os sábados e domingos anteriores, as cepadas no campo de futebol, no cassino, na capela, na cama antes de dormir, também não me davam  segurança para alcançar, pelo menos, a nota mínima. Agora, nenhum tempo mais me restava ao não ser encarar o tigrão.
Confiança! – Animava-me o Martinelli. – Força, Quinze! – Dizia-me o Brito Dias.
Agradecia aos amigos pelo ânimo.
O sargento dava as orientações prévias, como de praxe, dizendo as palavras que já conhecíamos. A prova estava ali, na carteira, de costas para mim. À ordem do fiscal, viraria o teste e só então poderia começar a resolução do mesmo.
Começaria resolver primeiro as questões fáceis, para depois tentar resolver as difíceis.  Numa primeira vista, tive a impressão de que o tigre não era assim tão brabo como temia.
Continuei a ler as questões e, infelizmente, a impressão de que não eram difíceis foi apenas impressão. Somente na oitava questão, que era de Geometria, me animei a resolvê-la; a nona, também resolvi. Das trinta questões eu me garantiria com dezoito, mas, correndo daqui e dali, segurança mesmo tinha somente em dez, talvez onze. Era muito pouco. Tinha de resolver mais sete, pelo menos, o que me daria a nota seis. Não, eu não poderia entregar a prova com somente onze questões respondidas.
Voltei às sete primeiras questões deixadas em branco, na esperança de achar resposta para três ou quatro delas. Era possível que sim; consultando o relógio que estava à parede, constatei que ainda faltavam vinte minutos para o término da prova, findo os quais, mais cinco para o preenchimento do formulário de respostas. As questões estavam complicadas e não me animava nem ao menos eliminar duas de quatro, pois com duas que restassem ficaria mais fácil assinalar a verdadeira. Tentei a tática de aplicar as respostas ao problema, invertendo a resolução. Aí teria de contar com a boa sorte, pois se a resposta certa fosse a ‘A’ ou a ‘B’, ganharia tempo. A primeira questão estava fora de alcance, a não ser que desse muita largura no chute, pois nem a fórmula do problema eu lembrava. Decididamente, não era um bom chutador. Fui à segunda, e nessa eu sabia da fórmula, mas me embatuquei no meio da operação com a troca de um sinal, não lembrando se era negativo ou positivo. Então, fui à resolução inversa, explorando a alternativa ‘A’ para ver se dava no problema proposto no enunciado da questão 2. Não era a ‘A’, então bem que poderia ser a ‘B’. Também não era essa. Olhei à parede e o ponteiro grande corria, era o tempo que conspirava contra o aluno despreparado. Aumentava-me a transpiração e o coração me parecia bater mais forte.  A resposta ‘C’ daquela questão encaixou bem, mas não lucrei muito porque, por questão de eliminação, em caso de não ser esta a correta, somente restaria a ‘D’; também perdi muito tempo aí. Agora iria à seguinte, que resolvi pular, passando à quarta questão. Nessa tive melhor sorte, pois a ‘A’ encaixava-se plenamente à problemática enunciada. Legal, fui à próxima, que tratava de calcular a área de duas circunferências inscritas numa terceira, ou melhor, tinha de calcular a diferença de área das duas circunferências em relação à terceira, a maior delas, e envolvi muitos cálculos. Muito complicado, pulei, mas aí perdi bastante tempo até chegar à conclusão de que não dava. Que droga! Porque não passei direto à questão seguinte? Faltavam somente dois minutos e o sargento me tomaria a prova; estavam na sala somente eu e mais um outro aluno. Fui então pelas probabilidades, fazendo uma continha rápida; das respondidas com segurança – quinze – seis delas a alternativa certa era ‘C’, depois a ‘A’, que aparecia em quatro questões,  a ‘B’ também em quatro questões, e ‘D’ em apenas uma questão. Era grande, pois, a tentação de chutar simplesmente a alternativa ‘D’ na maioria das questões remanescentes, de sorte que, pela lei da lógica, haveria ainda mais umas cinco ou seis letras ‘D’ como resposta nessas questões. O meu raciocínio era simples: se eram quatro alternativas, e o número total de questões era trinta, então logicamente dava uma média de 7 e meio entre elas. Estavam certamente distribuídas de forma que exisitiram naquela prova sete ou oito ‘A’, das quais eu já tinha achado quatro; oito ou sete ‘B’, das quais quatro eu tinha certeza; sete ou oito ‘C’, das quais seis já estavam encontradas; e oito, sete ou seis ‘D’, das quais somente uma eu havia encontrado entre as quinze questões respondidas com segurança.  Consequentemente, decidi, sob risco calculado, atribuir a alternativa ‘D’ como resposta de quatro questões. Que fosse o que Deus quisesse.
Preenchi cuidadosamente o formulário de respostas e chamei o sargento.
Continua… 

DEVEMOS aprender a viver juntos como irmãos ou perecer juntos como tolos.” Martin L. King
“AMAI-VOS uns aos outros como eu vos tenho amado.”
(BLOGUE do Valentim em 23set.2011)
Anúncios

DEIXE um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s